Posts

Branded Content e Storytelling em Marcas by Coca-cola

A busca de novas ferramentas e formas de se divulgar, comunicar e relacionar entre marcas e pessoas através de conteúdos cada vez mais envolventes, interessantes e diferenciados tem sido uma constante para a comunicação.

Para atender esta demanda surgiu o Marketing de Conteúdo. Definido pelo wikipedia como “termo que engloba todos os formatos de marketing que envolvem a criação e compartilhamento de conteúdo, a fim de atrair, adquirir e envolver os consumidores atuais e potenciais definidos e compreendidos pela empresa com o objetivo de impulsionar a ação cliente de forma rentável.”

É a filosofia base do Branded Content*, que possui entre suas ferramentas o Storytelling*, que utiliza o “contar histórias” como meio de envolver marcas e audiências.

Para conhecer como acontece isso na prática, apresentamos o vídeo (feito há 1 ano, mas muito interessante) sobre como a Coca-cola tem utilizado estas ferramentas nas suas comunicações. Uma super aula prática de uma grande e inovadora empresa, confiram:

Parte 2

*Momento Glossário:

Branded Content – que é termo denominado para a forma de publicidade que elimina as distinções convencionais entre publicidade e entretenimento.

Storytelling – relação entre marcas-audiência-conteúdo focado na forma de utilizar este conteúdo através de histórias.

Transmídia – relação entre marcas-audiência-conteúdo através do uso continuo e especializado de multiplataformas,

 

Olimpíadas 2012: A gente se vê nas mídias sociais

Com o Boom crescente, intenso e constante das redes sociais entre pessoas e marcas, era natural imaginarmos que para as Olimpíadas de Londres, não poderia ser diferente.

Enquanto das Olimpíadas de 2008, o boom era de usuários e suas tentativas de ser o formador de opinião/ informação (nem que seja em 140 caracteres), este ano as análises feitas focaram nas marcas, em especial, aquelas que patrocinam o evento, para avaliar como elas utilizam este diferencial a seu favor.

Uma das mais conhecidas formas de  representar isso são os famosos infográficos, como este da PappasGroup:

Infográfico das mídias sociais e as Olimpíadas 2012

Assim como percebemos nos veículos que compraram o direito de transmissão dos Jogos, ainda há uma dualidade entre ser exclusivo (marcas e veículos) e o ser inclusivo (mídias sociais). Enquanto um lado tenta de todas as formas buscar e proporcionar exclusividade de conteúdo das Olimpíadas, as mídias sociais, atuam em rede e buscam compartilhar e distribuir estes mesmo conteúdos para todos, incluindo-os.

É a famosa discussão entre o pago x free, o controledescontrole de conteúdo, informações que aos poucos vai ajustando as novas relações de mercado e de comunicação.

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos em 2016, no Brasil. Palpites?

 

A evolução da comunicação e o engajamento social

Quando recebemos links ou encontramos na web vídeos que conseguem em poucos minutos, retratar temas importantes e tão relevantes atualmente como o caso do Comportamento das Pessoas, Engajamento Social e afins.

Foi o que aconteceu neste vídeo que, com uma historinha prática e simples, explica como as pessoas se interessam, se envolvem e compartilham assuntos, opiniões, coisas, desde os primórdios até hoje (em inglês, mas fácil compreensão):

Apresentações e a arte de contar histórias impressionantes

Imagine a seguinte cena: o projeto dos seus sonhos, feito por você, conseguiu um horário na agenda apertadíssima daquele executivo, diretor, investidor que tem tudo a ver com este projeto. Ou seja: esta é A chance da sua vida e com ela vem a pergunta: como não desperdiçá-la?

Pois bem, como já dissemos anteriormente por aqui, as histórias conectam as pessoas. E não é qualquer história, é uma história completa, com bons personagens, slogans, clímax, reviravoltas e tudo que tem direito…Elas encantam, inspiram e modifica tanto aqueles que contam, como os que participam como os que ouvem. Mas, o que isso tem a ver com o projeto do seus sonhos?

O empresário Joni Galvão, fundador da empresa SOAP – State of Art Presentation – empresa especializada em apresentações – responde esta pergunta neste vídeo de um workshop feito na Endeavor -um dos maiores institutos de empreendedorismo do mundo. Tire 30 minutos do seu dia para vê-lo, reveja seus conceitos e crie uma nova forma de encantar as pessoas para tudo o que quiser… Inclusive o projeto dos seus sonhos:

Como as relações em redes sociais estão influenciando a decisão de compra

Pois bem, estamos há exatas 24 horas do nosso painel de Transmídia dentro do Social Media Brasil e para movimentarmos este debate, pesquisamos alguns materiais que podem ser temas-chaves para discussões que todos querem fazer e não tinham nem local nem oportunidade de fazer.

E um desses temas, obviamente passa pelo novo poder que o público possui e utiliza com as redes sociais, que o site de tendências digitais Trend Watching chama de Fator F em sua matéria de capa deste mês.  O Fator F para denominar os Friends, Fans and Followers (ou amigos, fãs e seguidores em português), que são os papéis que as pessoas podem ter dentro das relações digitais e que tem sido determinantes para contribuir no processo de decisão de compra entre eles, também chamado de social commerce.

Para se ter uma idéia, uma pesquisa de marketing boca-a-boca realizada nos EUA verificou que a cada ano existe aproximadamente 1 TRILHÃO de conversas sobre marcas apenas naquele país. Ou seja, são 1 trilhão de momentos que as marcas são apresentadas, elogiadas, criticadas, e também sugeridas para outras pessoas. Logicamente que a internet e as redes sociais se tornaram ferramentas essenciais para movimentar constantemente este novo poder das pessoas, demandando outros tipos de ferramentas e formatos para que este ciclo se mantenha ativo sempre. Outro dado interessante que reforça este poder do “Fator F”, segundo o Facebook, os seus 500 milhões de usuários gastam 700 bilhões de minutos na rede social , onde 3/4 deles já curtiram uma página de marca e 50 milhões fazem isso todos os dias.

Mas para chegar até a fidelização e engajamento das pessoas em um produto ou marca, temos um processo bem conhecido dos estudiosos de marketing, que através deste novo poder, acontece de forma mais rápida, dinâmica, intensa e social: A decisão de compra.

As 5 formas deste Fator F influenciar o comportamento do consumidor neste contexto de social commerce são:
Na Descoberta (F – Discovery): Como as redes sociais permitem que os consumidores conheçam os melhores produtos e serviços baseando-se nas experiências dos seus amigos e contatos. Um bom exemplo é o site  de pesquisas de compra Thefind, que criou a ferramenta “Shop like friends“, onde a pessoa conhece os gostos e preferências dos seus amigos de Facebook.

* Na Avaliação (F-Rated): Depois de “descobrir” o melhor produto e serviço, o passo é buscar recomendações e avaliações personalizadas de outras pessoas que conhecem o item a ser pesquisado para saber se valeria a pena (ou não) tê-lo. Afinal é mais confiável para as pessoas confiarem em outras pessoas do que meras propagandas. Isto justifica a importância que os sites de empresas utilizam widgets, aplicativos que permitam inserir dicas e comentários, além das próprias redes sociais sobre o que está sendo oferecido.

* No Feedback (F- feedback): Para que as avaliações vistas na rede possam ser “válidas”, os consumidores questionam às pessoas de sua confiança e seu ciclo, como família e amigos a respeito da sua intenção de compra. Pesquisas americanas afirmam que 90% das pessoas acreditam nas recomendações de amigos das redes sociais e 31% dos usuários freqüentes de Twitter questionam para os seus seguidores sobre produtos e serviços.

* Nas compras “conjuntas ” (F-Together): A internet e as novas plataformas de mídias permitiram que as pessoas comprem juntas sem estar fisicamente próximas uma das outras. Isto criou uma oportunidade em constante crescimento no Brasil (e no mundo) que são as compras coletivas, que devem movimentar só no país 1 bilhão de reais só este ano (fonte: site Conexão Mercado) entre os 1200 sites existentes no país, atingindo 14% dos internautas brasileiros.

* Na personalização de produtos e serviços (F-Me): Uma nova oportunidade que o Fator F possibilita as empresas e marcas é oferecer ferramentas, serviços e produtos baseados nas suas atividades e uso das suas redes sociais e navegação na internet. Temos como exemplo, o Twournal que transforma os seus tweets e imagens num jornal da vida real, podendo vender e comprar as publicações de outros usuários.

 

Mas afinal, o que isso tudo tem a ver com Transmídia?

Acreditamos que esta seja a sua pergunta depois de toda esta explicação, certo? A resposta é bem simples, a estrutura transmídia permite que um conteúdo seja expandido nas mais diversas plataformas de mídias e com as várias linguagens que cada plataforma e público possui. Dessa forma, imaginando que este conteúdo é aquilo que uma marca quer apresentar para o seu público, que responde produzindo comentários, avaliações, sugestões e compartilhando com outras pessoas, o Fator F também está inserido no contexto de transmídia.

Agora, para saber se ele é bem utilizado neste contexto, quais os tabus e desafios que temos pela frente e como utilizar melhor este novo poder da audiência, só estando lá no Social Media Brasil amanhã (3 de junho) às 9h no Fecomércio (SP) para saber com quem entende.

Esperamos você lá 😉

Influência que gera mudanças.

Olá pessoal.

No nosso Pod da Prosa de hoje vamos falar sobre Influência. Este tema foi pel Lista da revista Time, divulgada semana passada que mostrou as 100 pessoas mais influentes do mundo. E tem brasileiro lá.

O que leva uma pessoa a estar nesta lista? E mais, o que te leva a considerar uma pessoa ou atitude influente na sua vida?
Escute mais aqui:

Abraços e afagos